sábado, 25 de janeiro de 2014

SAMPA 460


sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

BRADO ASSOCIADOS / CONSULTORIA DE SEGURANÇA


EXTREME TOURS


ABETA 2014


Brasil é referência internacional em normas de segurança no turismo de aventura

Normalização brasileira é adotada como base para formar padrão internacional de regras do segmento



O turismo de aventura é composto por atividades que envolvem riscos e desafios. Por isso, a preocupação com a segurança e o bem estar de quem o pratica é parte essencial do trabalho da ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura). A expertise é reconhecida mundialmente. Prova disso é que as normas nacionais foram utilizadas como base para a normalização internacional do Turismo de Aventura, no âmbito da ISO (Organização Internacional de Normalização), que deve entrar em vigor no primeiro semestre de 2014.

Tudo começou em 2009, quando a ABETA, em parceria com o Ministério do Turismo e o Sebrae Nacional, propôs ao Grupo de Trabalho de Turismo de Aventura da ISO utilizar três Normas Brasileiras como base: a de Sistema de Gestão da Segurança em Turismo de Aventura, Informações Mínimas Preliminares a Clientes e a de Competências Mínimas do Condutor de Turismo de Aventura.

As três normas se tornaram os documentos de base para o processo de construção das normas internacionais, que durou cinco anos.

“Foi um trabalho de coordenação conjunta entre Brasil e Reino Unido, que também tinha um documento referência. É uma mostra clara de como o nosso país está avançado neste sentido. O Brasil é o país com o conjunto mais consistente de normas voltadas para o segmento de turismo de aventura e ecoturismo”, explica Leonardo Persi, coordenador de normalização da ABETA.

Antes mesmo da chancela da ISO, as Normas Brasileiras já eram referência em outros pontos do mundo. Países como Equador, Peru e Portugal utilizam as referências brasileiras como base para o desenvolvimento de normas em seus territórios. Atualmente o Brasil conta com 32 Normas Técnicas focadas na prestação de serviços de turismo de aventura e ecoturismo.

“Esta experiência internacional entre 2009 e 2013, por conta deste processo das normas internacionais, nos colocou em contato com diversos países de todos os continentes. Assim, pudemos perceber como o Brasil é de fato liderança importante em termos de referência técnica na operação segura das atividades de turismo de aventura”, complementa Persi, lembrando de parcerias da ABETA com organizações como a ATTA (Associação das Empresas de Turismo de Aventura, na sigla em inglês), entidade mundial representativa do segmento.

Próximos passos – As normas internacionais ISO para o turismo de aventura devem ser publicadas no início de 2014. Quando isso acontecer, as empresas brasileiras podem sair na frente. Isso porque quase 100 empresas nacionais já tiveram seus sistemas certificados com a norma principal deste processo – a de sistema de gestão da segurança – e teriam facilidade para se adaptar às diretrizes globais.

“As empresas brasileiras de turismo de aventura poderão demonstrar, em nível mundial, que o país está no caminho certo para oferecer serviços com qualidade e segurança. Efetivamente estarão colocando em prática processos de melhoria de gestão das pequenas e microempresas, que no setor de turismo de natureza é a grande maioria dos empresários”, explica Persi.

A ABETA, ao lado do Sebrae Nacional e do Ministério do Turismo, continuará atuando no tema, sempre com foco na segurança e no bem estar dos turistas de ecoturismo e turismo de aventura, bem como na capacitação dos profissionais do setor.

A ABETA (Associação Brasileira das Empresas de Ecoturismo e Turismo de Aventura) tem como principais objetivos representar, qualificar e promover seus associados, por meio de ações e parcerias. A entidade é responsável pelo programa Aventura Segura, referência mundial no mercado da vida ao ar livre. Atuando desde 2004 pelo segmento, a Abeta conta hoje com mais de 180 empresas com sedes em 22 estados e no Distrito Federal.